Radar da Pneumologia

Número de fumantes passivos no trabalho cai 34,4% em quatro anos

dezembro 28, 2016 • Por

dreamstime_bituca_cigarro_02-01-17

Pesquisa da Vigitel aponta queda de fumantes passivos no comparativo entre 2011 e 2015. Redução é atribuída à Lei Antifumo.

A Lei Antifumo, que proíbe fumar em locais fechados, completou cinco anos. Desde então, o número de fumantes passivos no trabalho teve queda de 34,4% nas capitais brasileiras. A constatação é da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada em 2015 com mais de 54 mil pessoas maiores de 18 anos nas 27 capitais do país.

Em 2011, cerca de 12,2% de trabalhadores eram expostos à fumaça de cigarro e produtos derivados do tabaco. Em 2015, esse número caiu para 8%.

A frequência do fumo passivo no trabalho é maior entre os brasileiros com idades entre 25 e 64 anos. A proporção de homens não fumantes que se expõem ao tabagismo passivo é de 12%. Entre as mulheres, o índice é de 4,6%.

Palmas (50,3%), Belo Horizonte (49%), Porto Velho (48,9%) e Goiânia (47,6%) são as capitais que apresentaram o maior percentual de queda no número de fumantes passivos dentro dos locais de trabalho. As que apresentaram os menores percentuais foram Florianópolis (7%), São Paulo (17,1%) e Teresina (20,5%).

O levantamento também apontou redução de 22,8% no número de fumantes passivos em casa. O índice caiu de 11,8% em 2011 para 9,1% em 2015.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2013, o tabagismo passivo foi a 3ª maior causa de morte evitável no mundo, perdendo apenas para o tabagismo ativo e para o consumo excessivo de álcool.

Fonte: Portal da Saúde.