Radar da Pneumologia

Tempo úmido aumenta a incidência de mofo e causa crises respiratórias

dezembro 30, 2016 • Por

dreamstime_mofo_jnaela_02-01-17

O verão é o período de maior incidência de chuva. A umidade, em geral, é benéfica para as vias respiratórias, porém, é preciso ter cuidados para evitar a propagação de mofo.

Os ambientes fechados, como armários e guarda-roupas, podem ser proliferadores de fungos, que danificam móveis, pinturas e roupas e, ainda, provocam crises alérgicas e de asma.

A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia estima que o Brasil tenha, aproximadamente, 20 milhões de pessoas com asma. A doença é a quarta causa de internação hospitalar no Brasil.

O Dr. Marcelo Fouad Rabahi, presidente do Congresso de Pneumologia SBPT 2018 e professor titular da Universidade Federal de Goiás (UFG), explica que a presença de mofo nos ambientes é um fator desencadeante da asma. “Asma é uma doença crônica, ou seja, uma vez que o paciente é diagnosticado, ele vai conviver com a condição para o resto da vida. Por isso, é importante ficar atento aos gatilhos que podem causar crises de falta de ar. O mofo ou bolor é um desses fatores, e é muito recorrente no verão”, explica.

Mau cheiro e manchas escuras nas paredes e móveis são sinais da presença de bolor. É importante caprichar na limpeza dos ambientes com vinagre e água sanitária. Manter os espaços arejados e favorecer a entrada de luz do sol também ajudam a acabar com os fungos.

Além de evitar contato com alérgenos, é importante ter acompanhamento médico constante. Dados recentes do DATASUS constataram que três pessoas com idades entre 5 e 64 anos morrem por dia no Brasil por causa da asma. Entre 2011 e 2015, a doença ocasionou mais de 320 mil internações.

“Alguns sinais sutis demonstram que a asma não está controlada, como desconforto ao dormir e dificuldade para realizar atividades de esforço físico. As pessoas não dão importância a esses sintomas e acabam sendo surpreendidas quando eles pioram. Assim, elas ficam mais suscetíveis às crises de falta de ar e exacerbações”, informa o Dr. Rabahi.

“Caso sejam identificados os sinais listados acima, procure seu médico para rever os medicamentos e doses para o tratamento adequado, garantindo o controle da asma e a melhoria da qualidade de vida”, recomenda o especialista.

Fonte: Gazeta Web.