Radar da Pneumologia

Campanha de vacinação contra gripe vai até 26 de maio

abril 18, 2017 • Por

seringavacine2017

Começou nesta segunda-feira (17/04) e vai até 26/05 a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza. A meta é imunizar 54,2 milhões de pessoas em todo o país. A pneumologista Dra. Mara Figueiredo, membro da Comissão Científica de Infecções Respiratórias da SBPT, elucida algumas dúvidas sobre o assunto.

Portadores de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), asma moderada ou grave, bronquiectasia, fibrose cística, doenças intersticiais, displasia broncopulmonar e hipertensão arterial pulmonar correm sérios riscos quando contraem gripe. O vírus pode debilitar ainda mais os pulmões e causar graves infecções. É importante que esses grupos sejam imunizados o quanto antes, já a vacina pode demorar até 15 dias para fazer efeito.

“Os pacientes com doenças respiratórias crônicas devem se vacinar anualmente. O uso da vacina reduz significantemente a mortalidade e a gravidade das infecções causadas pelo vírus Influenza, pneumonias bacterianas secundárias a estes vírus, além de descompensações dessas enfermidades”, informa a Dra. Mara Figueiredo.

Este ano, a novidade da campanha é a inclusão dos professores da rede pública e privada no público-alvo, com direito a receber a vacina gratuitamente pelo SUS. Além dos docentes, veja quem mais pode receber a imunização antecipadamente e sem custos:

  • Crianças de 6 meses a menores que 5 anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes;
  • Puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto);
  • Idosos (a partir de 60 anos);
  • Profissionais da saúde;
  • Povos indígenas;
  • Pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional;
  • Portadores de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade.

Três subtipos

A vacina contra a Influenza é trivalente, portanto, ela protege contra os três subtipos que mais circularam no país: A/H1N1; A/H3N2 e Influenza B.

“A vacina usada no Brasil é feita com a proteína do vírus, que já foi ‘morto’ e quebrado e não produz a gripe. A imunização não garante que a pessoa não vá contrair gripe, mas reduz muito a gravidade do quadro clínico apresentado. Em média, 70% dos pacientes vacinados alcançam a proteção desejada”, afirma a pneumologista.

A Dra. Mara comenta, ainda, sobre outras formas eficazes de prevenção. “Usar regularmente a medicação prescrita pelo seu pneumologista, manter uma alimentação saudável, lavar as mãos sempre que possível, evitar aglomerações, praticar exercícios físicos e checar se há indicação para tomar a vacina chamada Antipneumocócica também protegem a saúde respiratória”, complementa a especialista.

As doses são contra indicadas somente para pessoas com alergia grave ao ovo de galinha e para aqueles que já apresentaram reação anafilática a aplicações anteriores.

Segundo o ministério da Saúde, 60 milhões de doses de vacinas foram adquiridas, das quais 21,1 milhões de doses já foram distribuídas aos estados.

Fonte: G1 e SBPT.