Radar da Pneumologia

Fique por dentro dos indícios da Fibrose Pulmonar Idiopática

setembro 5, 2017 • Por


Sete de setembro é o dia mundial da Fibrose Pulmonar Idiopática. É importante que a população tenha cada vez mais conhecimento sobre doenças raras e dê atenção especial aos idosos, alertando para os menores sinais de cansaço e falta de ar.

A Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) provoca enrijecimento progressivo dos pulmões e atinge sobretudo pessoas acima de 50 anos. Falta de ar, tosse crônica, cansaço constante e dificuldade para realizar atividades cotidianas podem ser sinais de FPI.

Estima-se que entre 13 e 18 mil pessoas tenham FPI no Brasil, mas como a doença ainda é subdiagnosticada, é possível que o número seja ainda maior.

A identificação precoce é extremamente importante, já que a Fibrose Pulmonar Idiopática afeta a capacidade pulmonar gradativamente. No entanto, como os sintomas são muito parecidos com os de outras condições pulmonares e cardiovasculares, a identificação da doença é um processo complexo e demorado, podendo levar até dois anos após o início dos sintomas.

A causa da FPI é desconhecida, mas sabe-se que não fumar, evitar exposição ambiental a poluentes e tratar o refluxo gastroesofágico e as infecções virais crônicas são atitudes eficazes de prevenção. Porém, fatores genéticos também podem estar relacionados ao seu desenvolvimento.

“Embora não tenha cura, estão disponíveis no Brasil desde 2016 tratamentos antifibróticos capazes de reduzir o número de crises e exacerbações”, explica o Dr. Adalberto Rubin, vice-presidente da Sociedade de Pneumologia e Tisiologia do Rio Grande do Sul (SPTRS)  e pneumologista da Santa Casa de Porto Alegre.

Além do tratamento adequado, o Dr. Rubin recomenda fazer exercícios, mesmo que de baixa intensidade “É importante se manter ativo para que o pulmão continue funcionando da melhor forma”, recomenda o pneumologista.

Fonte: Jornal A Crítica.