Eventos

13 de outubro: Dia Mundial do Tromboembolismo Venoso (TEV)

outubro 2, 2017 • Por

A data de conscientização sobre o Tromboembolismo Venoso enfatiza a importância de prevenir a doença, principalmente durante hospitalizações, evitando que o coágulo migre para os pulmões e ocasione Tromboembolismo Pulmonar.

O Dia Mundial do Tromboembolismo Venoso foi instituído em 13 de outubro pela International Society of Thrombosis and Haemostasis, em comemoração ao aniversário do médico patologista Professor Rudolf Virchow. De 9 a 15 de outubro, haverá uma programação global de conscientização sobre o TEV em clínicas, hospitais, universidades e instituições de saúde.

O Tromboembolismo Venoso (TEV) acontece quando o sangue coagula dentro de uma veia. Geralmente, a doença se manifesta nos membros inferiores – uma das pernas se apresenta inchada, quente e avermelhada. O TEV pode ser detectado por exames clínicos e confirmado por uma ultrassonografia Doppler.

Tanto a história pessoal quanto a familiar em parentes de primeiro e segundo graus deve ser registrada, pois isto afeta diretamente a indicação e o planejamento para uso de profilaxia de TEV quando estes pacientes forem submetidos a condições de aumento de risco, como hospitalizações por doenças clínicas ou procedimentos cirúrgicos.

“Estudos mostram que a presença de antecedente pessoal ou familiar aumenta em quase 16 vezes a probabilidade de recorrência de Tromboembolismo Venoso (TEV), quando os pacientes são expostos a situações de risco”, enfatiza a pneumologista Dra. Ana Thereza Cavalcanti Rocha.

De acordo com a especialista, a presença de trombofilias, fatores sanguíneos herdados ou adquiridos que predispõem à coagulação, mesmo que ainda não detectados, podem estar implicados no aumento nas taxas de recorrência de TEV em um paciente e em sua família.

“Desta forma, obter uma história clínica detalhada é imprescindível na detecção de uma tendência pessoal ou familiar e no registro de comorbidades comuns que aumentam o risco de trombose como obesidade, tabagismo, varizes, o uso de anticoncepcionais hormonais ou terapia de reposição hormonal, entre outros”, complementa a médica.

Causas do TEV

Um trauma, pancada ou contusão pode gerar uma resposta excessiva do sistema de coagulação sanguínea. Algumas doenças do sangue, geralmente genéticas, como a falta de uma proteína, também podem ser responsáveis pela trombose.

Permanecer longos períodos do dia em uma mesma posição, em pé ou sentado, também pode desencadear Tromboembolismo Venoso. É o que ocorre, por exemplo, após longas viagens aéreas.

Tromboembolismo Pulmonar (TEP)

Quando o Tromboembolismo Venoso se agrava para Trombose Venosa Profunda (TVP), há maior risco de o coágulo migrar para os pulmões, originando Tromboembolismo Pulmonar (TEP), terceira maior causa de morte por doença cardiovascular, atrás apenas de Infarto e Derrame.

“Até 70% dos eventos de TVP podem ser assintomáticos. Desta forma, ter a suspeita baseando-se na presença de outros fatores de risco e/ou fatores predisponentes é extremamente importante para o diagnóstico”, alerta a Dra. Ana Thereza.

Os principais sintomas de Tromboembolismo Pulmonar são dispneia e dor torácica pior ao respirar ou síncope (desmaio), associadas ou não a queixas relativas aos membros inferiores.


A pneumologista sugere ações para o dia 13/10 e que também podem ser realizadas de maneira contínua pelos profissionais da saúde:

1) Promover atividades orientando sobre os programas de profilaxia de TEV (como o Programa Safety Zone) em implementação em hospitais, destacando o risco de TEV desde a admissão até a alta hospitalar.

2) Participar da pesquisa on-line PROTEV BRASIL sobre barreiras e soluções da implementação de programas de profilaxia de TEV em hospitais.