Radar da Pneumologia

Pesquisa revela que 41% dos alunos de Medicina sofrem de depressão no Brasil

novembro 30, 2017 • Por


Tese de doutorado apresentada na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) mostra que uma parcela considerável dos futuros médicos tem sintomas como cansaço, culpa, irritabilidade e tristeza.

Estima-se que 41% dos estudantes de medicina apresentem sintomas depressivos no país. A autora da pesquisa, Fernanda Brenneisen Mayer, relata que o índice é bem mais alto do que as médias mundiais, que ficam em torno de 27,2%.

Os questionários, respondidos por 1.350 alunos de 22 universidades públicas e privadas, apontaram ainda que 81,7% dos graduandos apresentam a chamada “ansiedade estado”, ou seja, aquela manifestada em determinados momentos.

A pesquisadora também constatou que os sintomas de depressão afetam mais os estudantes das capitais. Já a ansiedade tem maior incidência entre os que estão em vulnerabilidade financeira e dependem das bolsas de estudo.

Suicídio

A morte de um estudante de medicina da Faculdade de Minas (Faminas BH) gerou comoção entre amigos e alunos da instituição. Em nota, a faculdade lamentou o ocorrido. “A instituição compreende a complexidade e a responsabilidade diretamente implicada no processo de formação dos estudantes, mantendo constante a preocupação para com a qualificação profissional e manutenção da qualidade de vida deles”.

Membro da Academia Mineira de Medicina e presidente da Associação Brasileira de Prevenção ao Suicídio, Humberto Corrêa, afirma que o suicídio é comum não só entre os alunos do curso de Medicina como também entre os profissionais da área, principalmente por causa da dedicação intensa ao trabalho, que pode levar ao isolamento social. Além disso, lidar com a morte diariamente abala uma parte desses especialistas.

Ajuda

O Centro de Valorização da Vida (CVV) presta suporte às pessoas que não estão bem emocionalmente. É possível entrar em contato pelo número 141 ou pelo site da CVV, o atendimento é sigiloso, feito via chat, email ou Skype, 24 horas por dia.


Fontes: Hoje em Dia, BHAZ