Institucional

No Brasil, indústria de tabaco ganha prêmio “Pró-Ética”

dezembro 26, 2017 • Por


Uma empresa brasileira que pode ser capaz de matar 2 entre 3 consumidores de seu produto foi reconhecida como referência em ética pelo Ministro da Transparência e Controladoria Geral da União.  

Diante deste fato, a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia apoia e endossa o texto enviado pela Aliança de Controle do Tabagismo (ACT) ao Ministério e sugere não considerar a fumicultura entre as gratificadas pelo governo:

“A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) manifesta com perplexidade e estupefação, a recente decisão do Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União em laurear a Cia. de Cigarros Souza Cruz como uma das 23 empresas reconhecidas por “estarem comprometidas em adotar medidas de integridade relacionadas a prevenção, detecção, interrupção e mediação de atos de fraude e corrupção”.

Tal premiação se configura em um desrespeito à memória de 156 mil brasileiros que têm a vida ceifada precocemente a cada ano no Brasil, vítimas de mais de 55 doenças geradas a partir do consumo de produtos derivados do tabaco, além da dependência à nicotina.

A fumicultura é dos tipos mais perversos de monocultura pois se vale da dependência econômica dos fumicultores; com histórica exploração da mão de obra infantil; uso abusivo de agrotóxicos levando a danos a saúde dos fumicultores, contaminação do solo e dos mananciais hídricos, além do desmatamento de florestas nativas substituídas pela plantação de eucaliptos para uso na cura das folhas de tabaco.

Tal premiação, independente das regras que foram adotadas, afronta com o que se considera responsabilidade social corporativa, e tal como reconhece a Organização Mundial da Saúde, a responsabilidade social corporativa da indústria do tabaco é uma contradição inerente. A Souza Cruz é parte da indústria do tabaco, que foi excluída do Pacto Global das Nações Unidas. Reconhecer a Souza Cruz como uma empresa Pró-Ética importa em notória e frontal violação ao artigo 13 e às Diretrizes para implementação do artigo 5.3, da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, tratado mundial para o controle do tabaco, a qual o Brasil é um dos países signatários.

A Diretoria da SBPT em nome de seus associados, médicos pneumologistas, e com a responsabilidade de cuidar de milhões de brasileiros e brasileiras vítimas de doenças relacionadas ao consumo de tabaco, tais como o câncer de pulmão, a doença pulmonar obstrutiva crônica, dentre outras, repudia este tipo de premiação, pois não condiz com princípios de ética e transparência por parte de uma indústria que mata 2 entre 3 consumidores de seu produto, e que tem utilizado de toda sorte de lobby junto aos poderes públicos para impedir a efetiva implementação das políticas de prevenção e controle do tabaco no país. Por outro lado, espera que o MTCGU não inclua mais a indústria do tabaco em seus futuros certames anuais que confiram tal distinção”.

Ass.: Comissão Científica de Tabagismo e Diretoria da SBPT.