SBPT na mídia

Mortalidade por câncer no pulmão em mulheres pode crescer 43%

agosto 3, 2018 • Por


Entre 2015 e 2030, o número de óbitos por neoplasia de pulmão pode aumentar 43% entre a população feminina. A projeção é de um estudo publicado na revista Cancer Research com dados de 52 países, incluindo o Brasil.

O Dr. Gustavo Faibischew Prado, coordenador da Comissão Científica de Câncer de Pulmão da SBPT, comentou sobre o assunto em entrevista ao jornal Correio Braziliense, ressaltando a necessidade de se investir em campanhas preventivas.

O especialista evidenciou a queda significativa do percentual de fumantes no Brasil – de 35% da população para cerca de 15% -, entre 1989 e 2017. “Porém, o impacto dessa redução sobre a mortalidade demora um pouco mais para aparecer”, explicou.

De acordo com o artigo, que mostra as estimativas a partir de dados sobre mortalidade e tendências populacionais de 2008 a 2014, mais de 60% das mortes por câncer de pulmão em mulheres são atribuídas ao tabagismo. Além disso, o envelhecimento da população também está contribuindo para o aumento de óbitos.

Prevenção

Segundo recomendações médicas, o rastreamento do câncer de pulmão deve ser feito em fumantes que têm entre 55 e 74 anos ou pessoas que pararam de fumar há, no máximo, 15 anos. Se enquadrado nestes casos, o paciente deve ser avaliado por um médico e submetido à tomografia de baixa dosagem.